Início | Património Imóvel
Tamanho de letra normal Aumentar o tamanho de letra Diminuir o tamanho de letra
Pesquisa de Património Imóvel
Pesquisa geral
Categoria
Tipologia
Designação
Localização
  [limpar dados]

Castelo de Castelo de Vide

Categoria: Arquitectura militar
Tipologia: Castelo
Freguesia: Santa Maria da Devesa
Protecção Legal: Monumento Nacional (16-06-1910, DG 136, de 23-06-1910)
Nota Histórica: Não estão esclarecidas as origens do povoamento no local onde, na Idade Média, se edificou Castelo de Vide. A proximidade em relação a uma via romana que passa junto ao sopé do monte fez com que alguns autores conjecturassem a respeito de uma possível fase organizativa romana (PERES, 1969, p.285) mas, até ao momento, as escavações conduzidas por Jorge Oliveira e, mais recentemente, por Marina Pinto e Sandra Neves, não revelaram níveis de ocupação tão antigos.

Se as dúvidas se mantêm a respeito do possível passado romano, a história de Castelo de Vide não se apresenta mais nítida nos primeiros tempos da monarquia portuguesa. Informações muito duvidosas relacionam o ano de 1148 com uma suposta conquista de D. Afonso Henriques e o de 1180 com um primeiro foral dado à localidade, por D. Pedro Anes (Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, vol. VI, p.196), mas será preciso esperar pelo século XIII para encontrarmos referências mais concretas. Em 1232 já estaria incorporada na coroa nacional, e seria, então, um povoado de relativa importância, pela grande proximidade em relação à fronteira com Castela (PERES, 1969, p.286). Em 1273, reinando D. Afonso III, a vila foi confiada a seu filho, D. Afonso Sanches, senhor igualmente de Portalegre e de Marvão.

Terá sido a partir dessa data que se deu início à fortaleza que hoje genericamente conhecemos. As décadas finais do século XIII foram de certa tensão, uma vez que D. Dinis tentou, por várias vezes, retirar a vila a seu meio-irmão. Logo em 1279, D. Afonso contestou o direito de D. Dinis em ocupar o trono e iniciou a fortificação da localidade, processo que estava em marcha em 1281. Esta indicação é clara quanto à importância estratégica de Vide e a sua superioridade militar em relação às vizinhas Marvão e Portalegre. Em Abril de 1281, D. Dinis cercou a vila e, um ano depois, o infante comprometia-se em derrubar todas as fortificações que havia empreendido (que incluíam uma torre e vários muros) (BARROCA, 2000, p.1522).

Antes de findar o século, D. Dinis conseguiu finalmente apoderar-se da vila e terá sido a partir de então que se procedeu à segunda fase de obras no castelo. Ela encontra-se atestada por uma inscrição, anexa a uma das portas, junto à Rua Direita, que comemora a conclusão dos trabalhos em 1327, reinando já D. Afonso IV. Ao contrário dos programados e racionais castelos góticos, este subordina-se, ainda, às condicionantes do terreno, mas possui algumas características típicas da arquitectura militar da Baixa Idade Média, como a torre de menagem adossada à porta principal, ou a existência de uma barbacã a anteceder a fortaleza. O reduto defensivo compõe-se de duas partes essenciais: um pequeno espaço quadrangular, definido por muralhas e torreões, é o pátio de armas, em torno do qual se dispõem as estruturas de armazém e de apoio à defesa; o restante espaço amuralhado corresponde à vila velha, dotada de uma Rua Direita e onde existiam as casas da Câmara e da Cadeia, bem como as habitações do alcaide e da classe dominante local.

A terceira grande fase de obras aconteceu no século XVII, durante as Guerras da Restauração. Em 1641, imediatamente após a proclamação da Independência, iniciaram-se os trabalhos, que foram apressados e ampliados a partir de 1642, sob projecto de Nicolau de Langres. Em 1660, no auge deste processo de fortificação, a praça albergava uma guarnição de 600 homens e três companhias de cavalaria, o que revela a sua importância. Ela integrava dois fortes, o do castelo (a poente) e o de São Roque (a nascente), de planta estrelada e com amplos baluartes e desníveis de terrenos, interligados por uma extensa linha de muralhas que circundava a vila, já extraordinariamente expandida desde o primitivo núcleo medieval.

Desactivada de 1823, a fortaleza permanece como uma importante silhueta militar na raia, evocadora do passado guerreiro e da importância que teve nos muitos recontros entre portugueses e espanhóis ao longo da História.

PAF (Texto IGESPAR, I.P.)


Outras descrições:
IHRU - Sistema de Informação para o Património Arquitectónico - IPA n.º PT041205020010
omeprazol 80 mg omeprazol dosis hund omeprazol english


Bibliografia:
- BUCHO, Domingos - Fortificações de Castelo de Vide - História, Arquitectura e Restauro. s.l. : Região de Turismo de São Mamede, 2004.

- CID, Pedro - As Fortificações Medievais de Castelo de Vide. Lisboa : IPPAR - Instituto Português do Património Arquitectónico, 2005.

- CID, Pedro - Castelo de Vide e o álbum de Duarte de Armas: algumas notas. In Estudos/Património. N.º 8, Lisboa : IPPAR - Instituto Português do Património Arquitectónico, 2005, pp. 108-119.

- CID, Pedro - Castelo e Muralhas de Castelo de Vide (colecção Guias - Desdobráveis). Lisboa : MC/IPPAR, 2004.

- COELHO, Possidónio Mateus Laranjo - Terras de Odiana - Subsídios para a sua História Documentada - Medobriga - Aramenha - Marvão [edição especial do IBN MARUÁN Revista Cultural do Concelho de Marvão, n.º 11]. 3ª ed.,Marvão : Câmara Municipal de Marvão / Edições Colibri, 2001.

- JORGE, Ana Santos - The Old Burgo of Castelo de Vide, Portugal, Safeguard and Conservation, Dissertação de mestrado apresentada à Katholieke Universiteit Leuven. Lovaina, 1991.

- KEIL, Luís - Inventário Artístico de Portugal - Distrito de Portalegre. Lisboa : Academia Nacional de Belas Artes, 1943.

- LOPES, Hugo Serra; GUERREIRO, Nuno; ALVES, Alice Nogueira - Reabilitação do edifício lateral (antigo paiol). Núcleos museológicos - castelo de Castelo de Vide. In Estudos/Património. N.º 8, Lisboa : IPPAR - Instituto Português do Património Arquitectónico, 2005, pp. 126-129.

- PEREIRA, Nuno Teotónio; MALATO, Nuno; CRUZ, Alberto - Castelo de Vide. Reabilitação do antigo paiol do castelo. In Estudos/Património. N.º 8, Lisboa : IPPAR - Instituto Português do Património Arquitectónico, 2005, pp. 120-125.

- PIRES, Rua Ochôa - De antigo paiol a museu arqueológico: processo de reabilitação em Castelo de Vide. In Estudos/Património. N.º 8, Lisboa : IPPAR - Instituto Português do Património Arquitectónico, 2005, pp. 101-107.

- REPENICADO, António Vicente Raposo - Breve roteiro da notável vila de Castelo de Vide. Castelo de Vide : separata do Jornal Terra Alta do n.º 483 ao n.º 489, 1966.

- REPENICADO, António Vicente Raposo - Relação de Sucessos Históricos, Notícias e Acontecimentos Políticos, Administrativos, Sociais e outros da Notável Vila de Castelo de Vide. Castelo de Vide, 1965.

- TRINDADE, Diamantino Sanches - Subsídios para o estudo da Arqueologia Medieval. Lisboa : Assembleia Distrital de Portalegre, 1979.

- VIDEIRA, César - Memória Histórica da Muito Notável Villa de Castello de Vide. Lisboa : Empresa da História de Portugal, 1908.

- VIDEIRA, César - Memória Histórica da Muito Notável Villa de Castello de Vide. 2ª ed.,Lisboa : Colibri, 2008.

- VIDEIRA, César - Memória Histórica da Muito Notável Villa de Castello de Vide. 3ª ed., Lisboa : Colibri / CIDEHUS, 2008.


« voltar à página anterior
Imagem